Livros infantis gratuitos
Ver publicação

Livros infantis gratuitos

A literatura infantil pode ser uma grande aliada nesses tempos difíceis que estamos vivendo. Se estamos em casa por conta do isolamento físico, os livros para os pequenos (e para gente grande também) se tornam caminhos para viagens, aliados em aventuras, pontes para novas amizades. As histórias despertam emoções, nos…
Ver publicação
olhe para o céu
Ver publicação

olhe para o céu

Olhar para o céu é mantra. Fitando o alto, busco meus respiros com o coração. Aquieto meus anseios. Desacelero o piloto automático da vida. Penso sobre a rota.⁣Por consciência, responsabilidade coletiva, afeto, fico em casa. O céu tem sido espiado pela janela. Pela manhã, vira cenário para andorinhas, pombas, maritacas…
Ver publicação
Pote do tédio na quarentena
Ver publicação

Pote do tédio na quarentena

“Mãe, não tem nada para fazer…” Tédio nem sempre foi motivo de reclamações por aqui. Quando os humores oscilavam, as chateações mútuas começavam, sempre dávamos um jeito de ir lá pra fora. Agora, há 47 dias em casa, emparedadas, com saudades do nosso quintal ~pracinha~, sentindo uma confusão de emoções…
Ver publicação
A planta doce
Ver publicação

A planta doce

Pra entender a passagem do tempo que estamos vivendo, em meio as perspectivas de duas crianças, no início do isolamento “plantamos” na água uma batata doce. ⁣⁣Foram dias em expectativa. Depois de quase duas semanas, cresceram raízes, mais um bocado no calendário e um broto apontou. Agora, já por volta…
Ver publicação
Revistinha passatempo Na pracinha
Ver publicação

Revistinha passatempo Na pracinha

Estamos em quarentena por consciência, responsabilidade coletiva, afeto, precisamos ficar em casa (quem pode, claro) pelo bem de todos. Pra aquietar a saudade da criançada de brincar por Beagá, você pode fazer o download gratuito da nossa revistinha passatempo. Lançada junto com nosso livro guia – lembra? – tem brincadeiras…
Ver publicação
122 anos de Beagá
Ver publicação

122 anos de Beagá

Eu tenho uma relação afetiva com a Pampulha. Me recordo de andar de bicicleta na companhia do meu irmão e do meu pai pela orla, de ir ao Guanabara, de acompanhar as “visitas de fora” para conhecer a lagoa, de correr em direção a Igrejinha para espiar onde meus pais…
Ver publicação